22/03/2021 - São José dos Pinhais segue o TCE-PR e corrige licitação para o transporte escolar
Notícia de licitação.
    

CGN

 

A fiscalização preventiva executada pelo Tribunal de Contas do Estado do Paraná levou a Prefeitura de São José dos Pinhais a corrigir quatro impropriedades em edital de licitação para o transporte de estudantes desse município da Região Metropolitana de Curitiba. Além de assegurar a prestação do serviço com mais eficiência e segurança, a revisão proporcionou economia de 14,4% no valor estimado da licitação, que foi reduzido de R$ 5,7 milhões para R$ 4,9 milhões.

 

Ao analisar o edital do Pregão Eletrônico nº 262/2020, destinado à contratação de serviços de transporte escolar de alunos das redes de ensino municipal e estadual, a Coordenadoria de Acompanhamento de Atos de Gestão apontou quatro indícios de irregularidade. A CAGE é a   unidade técnica do TCE-PR encarregada da fiscalização preventiva e concomitante das ações praticadas pelos administradores municipais do Paraná.

 

Duas das impropriedades apontadas são relativas à falta de elementos fundamentais para assegurar a eficácia de qualquer licitação. O edital do Pregão Eletrônico 262/20 não apresentava planilha de custos e formação de preços. “Para um bom uso do recurso público, é de suma importância saber o que compõe o preço final do serviço que está sendo adquirindo. Para tanto, é importante que o valor estimado da licitação seja detalhado em planilhas com custos unitários, demonstrando a razoabilidade dos valores pagos”, destacaram os analistas da CAGE.

 

Outra falha verificada foi a falta de exigência de atestado de capacidade técnica, necessária numa licitação de alta complexidade como a de transporte escolar. Pelo serviço essencial a ser prestado – que envolve o direito à educação e a segurança de crianças e adolescentes – e pelo valor financeiro da licitação, a equipe do TCE-PR considerou imprescindível a exigência de apresentação de atestados de capacidade técnica aos licitantes, para comprovar experiência mínima na prestação do serviço a ser contratado.

 

Os outros dois apontamentos da equipe técnica têm relação direta com a segurança necessária ao transporte escolar. O edital de São José dos Pinhais não previa critérios mínimos obrigatórios dos motoristas contratados pela prestadora do serviço. Entre esses requisitos, exigidos pela legislação de trânsito brasileira, estão: idade mínima de 21 anos; habilitação na categoria D; não ter cometido nenhuma infração de trânsito grave ou gravíssima, ou ser reincidente em infrações médias durante os doze últimos meses; e ser aprovado em curso especializado, nos termos da regulamentação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

 

O edital também não estipulava tempo de uso máximo dos veículos utilizados pela empresa contratada. Conforme as Normas para Gestão do Transporte Público do Paraná, elaboradas pela Secretaria de Estado da Educação, o referencial de idade máxima para os veículos tipo van, perua e automóvel é de até oito anos, enquanto para veículos tipo ônibus e micro-ônibus é de até dez anos.

 

As quatro impropriedades foram indicadas em Apontamento Preliminar de Acompanhamento (APA) enviado pelo TCE-PR à Prefeitura de São José dos Pinhais. Em resposta, a administração municipal alterou o edital e corrigiu as cláusulas questionadas. Dessa forma, foram asseguradas as condições para a seleção de empresa qualificada para a prestação do serviço de transporte escolar.

 

Já a elaboração da planilha com composição de custos unitários possibilitou ao município uma economia potencial de ao menos R$ 823.338,00. Esse montante é a diferença entre o valor estimado da contratação, que foi reduzido de R$ 5.717.134,00 para R$ 4.893.796,00 com a republicação do edital. A economia potencial gerada pela fiscalização do TCE-PR neste caso foi de 14,4%.

 

Oportunidade de correção

 

Instituído pela Instrução Normativa nº 122/2016, o APA é uma oportunidade concedida pelo TCE-PR aos gestores para corrigir falhas verificadas pelo órgão na fiscalização preventiva, sem que seja necessária a abertura de processo administrativo, cujo trâmite é mais demorado e custoso.

 

Quando os administradores não corrigem as falhas apontadas, ficam sujeitos a Comunicação de Irregularidade, que pode ser transformada em Tomada de Contas. Nesse caso, a Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005) prevê a aplicação de multas administrativas, fixas e proporcionais ao valor do dano ao patrimônio público, devolução dos recursos e outras sanções.

 

As informações são do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

Análise da página "22-3-21-saojosedos"   

Avaliação: 3 de 10 | Comentários: 18 | Número de avaliações: 35
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa