29/04/2021 - Tribunal de Contas julga irregular licitação de mais de R$4 milhões para compra de produtos de higiene e limpeza
Notícia de licitação.
  

Jornal Biz

 

Órgão fiscalizador apontou irregularidades do começo ao fim do pregão e nos aditamentos, inclusive sobre economia de dinheiro público

 

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) apontou irregularidades em uma licitação e aditamentos da Prefeitura de Ourinhos, com valor de mais de R$4 milhões, para aquisição de produtos de higiene e limpeza. O órgão fiscalizador fez críticas desde a descrição do edital até os preços contratatos, com itens apresentando variação superior a 100%.

 

O processo licitatório nº 41 foi realizado no dia 12 de maio de 2017, no modo presencial, e contou com a participação de seis empresas. Três empresas de São Paulo, capital, foram consideradas vencedoras no pregão, que foi dividido em lotes: Sym Comércio de Descartáveis Ltda (R$2.699.997,00), Comercial Dambros (R$749.986,39) e Três Lagoas Comércio de Sacarias e Embalagens (R$777.428,05).

 

Apontamentos – O TCE identificou aspectos restritivos no edital, e analisou que o critério de julgamento por lote não se mostrou vantajoso, além de apontar ajustes de preços.

 

Diz o parecer do Tribunal de Contas: “Quanto à crítica aos preços ajustados, reconheceu que um dos orçamentos recebidos continha preços muito abaixo dos demais, o que fez com que a média estimada de alguns dos itens ficasse aquém do valor final contratado. Todavia, atestou a compatibilidade dos preços contratados com o praticado na região e, ainda assim, formalizou aditamentos para a redução do valor dos itens criticados”. Ou seja: mesmo comprovando que a proposta de menor valor tinha respaldo nos valores praticados no mercado, a Prefeitura a desqualificou, ajustando os preços “para cima”.

 

Consultada, a Assessoria Técnica Jurídica (ATJ) do TCE julgou irregular o contrato do ponto de vista da economia do dinheiro público. “Os problemas começaram já nos procedimentos de estimativa de preços, uma vez que de um dos orçamentos constou valores bem discrepantes dos demais, com itens apresentando variação superior a 100%, o que influenciou na média orçada. Em consequência, vários itens que compuseram os lotes foram adquiridos por valores acima da média orçada. Inclusive, o valor total do lote 1 também restou adjudicado nessa condição”, diz o documento, na página 6.

 

Assinado pela Conselheira-substituta Sílvia Monteiro, do gabinete do Conselheiro Robson Marinho, o parecer tem “voto pela irregularidade da licitação, das atas de registro de preços, dos contratos e aditamentos dela decorrentes e ilegalidade dos atos determinativos das respectivas despesas, sem prejuízo do acionamento dos incisos XV e XXVII do artigo 2º da Lei Orgânica desta Corte”.

 

A Prefeitura ainda pode recorrer da decisão do TCE. Se o recurso for negado, o processo será enviado para a Câmara Municipal e Ministério Público. Os vereadores ourinhenses podem decidir, desde já, pela abertura de uma CPI para investigar o caso.

 

Questionada sobre o assunto pelo Jornal Biz, a Prefeitura de Ourinhos não se manifestou.

Análise da página "29-4-21-tribunal"   

Avaliação: 1 de 10 | Comentários: 16 | Número de avaliações: 31
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
 
 
 
 
 
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa