07/12/2019 - Itaipu vai licitar nova tecnologia de R$ 2,7 bilhões
Notícia de licitação
 

Diário Indústria e Comércio

 

A Itaipu Binacional vai licitar a atualização tecnológica da usina e o edital deve ser publicado ainda este ano. O valor pode chegar a US$ 660 milhões (R$ 2,7 bilhões). “Este é o início de um processo que, ao final, deixará a usina de Itaipu em condições de igualdade com as usinas mais modernas do mundo. É vital que se comece agora, para que a usina continue sendo importante para os sistemas elétricos do Brasil e do Paraguai daqui a dez, quinze anos”, afirmou o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna.

 

O diretor técnico executivo da usina, Celso Villar Torino, disse que “a elaboração do edital foi um trabalho árduo e cuidadoso, que contou com a participação de pessoas de todas as diretorias da Itaipu. Felizmente, a parceria permitiu que tudo corresse de acordo com o previsto”, concluiu.

 

Mariana Thiele, diretora jurídica da empresa, reforçou a união das equipes. “Este é um dos projetos mais importantes que a Itaipu tem hoje, e foi muito positivo ver como todos trabalharam de forma harmônica, em busca de um objetivo maior”, disse.

 

Segundo o diretor financeiro executivo, Anatalicio Risden Junior, o que se viu, ao longo das negociações, foi que “as dificuldades se transformaram em soluções”. Para ele, “todos se concentraram num mesmo propósito e as metas estabelecidas foram cumpridas”.

 

O lançamento do edital já faz parte da segunda fase do projeto de atualização. A primeira fase aconteceu ao longo de 2018, com a participação das empresas interessadas na pré-qualificação para esta licitação. Somente as empresas habilitadas poderão participar do certame.

 

Quando publicada, a licitação pública binacional, que tem cerca de 12 mil páginas, poderá ser consultada no Portal de Compras da Itaipu (http://compras.itaipu.gov.br) e nos principais veículos brasileiros e paraguaios.

 

Consórcios
O projeto da atualização tecnológica da usina de Itaipu não inclui os equipamentos pesados como turbinas, geradores, transformadores principais e as comportas hidromecânicas – somente os elétricos e eletrônicos. Porém, por se tratar de um volume muito grande de trabalho, e de uma variedade de diferentes necessidades, decidiu-se dividir o projeto em três lotes.

 

Para o Lote I, responsável pelo fornecimento de sistemas, equipamentos, materiais e serviços para as unidades geradoras, estão habilitadas três empresas, sendo elas o Consórcio para Atualização Tecnológica de Itaipu (CATI), integrado pela Voith Hydro, Siemens e Tractebel; Consórcio GE formado pela GE Hydro e GE Grid; Consórcio Andritz-ABB, integrado pelas empresas Andritz Hydro e ABB.

 

Para o Lote II, responsável pelo fornecimento de materiais e equipamentos para os serviços auxiliares gerais, estão habilitadas quatro empresas, sendo elas o Consórcio Alto Paraná; Concret Mix S.A.; Tecnoedil S.A. e Consórcio Proel-Ingelmec .

 

Para o Lote III, responsável pelos serviços de desmontagem e montagem eletromecânica correspondente a todos os sistemas e equipamentos fornecidos para os Lotes I e II, estão habilitadas duas empresas: a Rieder & CIA e o Consorcio de Ingeniería CIE S.A.

 

Conforme estabelecido no edital, as empresas vencedoras de cada Lote deverão se unir e formar um único consórcio, que realizará os trabalhos de forma unificada, com acompanhamento e supervisão das equipes de Itaipu.

 

Renovação
O foco do projeto está nos sistemas de controle, proteção, supervisão, regulação, excitação e monitoramento das unidades geradoras e subestações, como controladores, sistemas e sensores, entre outros, que estão espalhados por vários quilômetros ao longo da casa de força, barragem, subestações e vertedouro.

 

Mais do que simplesmente substituir, o plano é repensar funcionalidades e processos, além de permitir uma leitura mais detalhada das unidades geradoras.

 

A primeira etapa tem duração prevista de quatro anos e abrange a elaboração dos projetos executivos, fabricação, testes em fábricas, modernização dos sistemas das salas de controle e ensaios locais, para só então avançar para a próxima fase: a parada das unidades geradoras. Cada unidade que passar pelo processo precisará ficar parada enquanto for atualizada.

 

A expectativa da Itaipu é atualizar os sistemas de duas unidades geradoras por ano. Como são 20 unidades, a estimativa é que esta fase seja executada em dez anos. Com a experiência acumulada com cada unidade atualizada, porém, é possível que o andamento do projeto acelere com o passar do tempo. Desta forma, o projeto de atualização tecnológica mobilizará esforços por aproximadamente 14 anos no total.

Análise da página "7itaiiiiip"   

Avaliação: 5 de 10 | Comentários: 10 | Número de avaliações: 20
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa