08/02/2020 - Anatel aprova proposta para processo de licitação do 5G
Notícia de licitaçãoo
 

Computerworld

 

Aprovada com unanimidade, definições serão enviadas para consulta pública antes da análise do Tribunal de Contas da União

 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou final da semana passada para a proposta apresentada pelos conselheiros sobre o edital para o leilão do 5G.

 

Moisés Queiroz Moreira, conselheiro que pediu visto do processo no mês de novembro, apresentou um relatório aprovado por unanimidade, que coloca o início da licitação para o início de 2021. 

 

O conselheiro Moreira adicionou 100 MHz adicionais na faixa de 3,5 GHz, aumentando o espectro de 300 MHz para 400 MHz. O profissional também sugeriu deixar para consulta pública a definição sobre o processo que será usado para mitigar as interferências entre o 5G e os sinais de antenas parabólicas. Atualmente, existem duas opções: usar filtros nas antenas ou transferir os canais para outra banda. 

 

Tanto operadoras de telefonia como emissoras de TV veem discutindo o melhor caminho e chegaram à conclusão de que o uso de filtros teria o melhor custo-benefício. A opção, já apresentada por um estudo formal conduzido pelo Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento (CPqD), já recebeu aprovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que deu sinal verde para a Anatel definir a melhor solução. 

 

 

Após publicado, o edital ficará aberto para consulta pública por 45 dias e, depois da análise das contribuições, volta para análise da Anatel. Com os termos definidos, o documento será levado para avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU).  

 

Próximo padrão de conexão para smartphones, wi-fi e objetos que funcionem via Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), a implementação do 5G é aguardada com ansiedade por boa parte do mercado, que acredita que seu uso potencializará diversos negócios.

 

Caso o cronograma apresentado pelo conselheiro seja cumprido de acordo com as expectativas, é provável que a licitação aconteça no início de 2021. 

 

*Com informações da Anatel 

 

Análise da página "anatttteelll"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa