A Covid-19 e a inovação das contratações de urgência no Brasil
As inovações no pregão presencial e eletrônico para realizar as contratações de urgência pela Administração Pública
Publicado em 30 de Março de 2020

Felipe Boselli[1]

Lucas Hellmann[2]

Isadora de Fragas[3]

 

Desde o início do enfrentamento à disseminação da COVID-19 no Brasil, tem-se observado uma verdadeira avalanche de instruções normativas, portarias, decretos, medidas provisórias e leis, editadas por todas as esferas, que tentam ordenar as ações para o contingenciamento do vírus ou adaptar o aparato estatal a um cenário para o qual nosso ordenamento jurídico não estava preparado.

 

Nesse emaranhando de normas, uma das mais significativas é a Lei Federal nº 13.979/2020, de 06 de fevereiro do presente ano, que “dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019” e suas alterações trazidas pelas Medidas Provisórias de nº 926, 927 e 928, editadas pela Presidência da República em 20, 22 e 23 de março de 2020, respectivamente.

 

A Medida Provisória nº 926/2020 traz expressivas inovações no tocante aos processos de contratações públicas que se fizerem necessários para o enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do novo coronavírus, com hipótese expressa de dispensa de licitação nestes casos e a possibilidade de afastamento de diversas exigências, como os estudos preliminares, o gerenciamento de riscos e estimativa de preços, além da exigência de um termo de referência simplificado.

 

A MPV 926/2020 também permite o afastamento da exigência da regularidade fiscal e trabalhista, de outros documentos de habilitação e até a possibilidade de contratar com empresas inidôneas, em situações excepcionais. Vale lembrar, ainda, que além da MPV 926/2020, tivemos a Circular nº 893 da Caixa Econômica Federal, que suspende a exigibilidade do FGTS nas competências de março a maio, e a Portaria Conjunta nº 555/2020, que prorroga a validade da Certidão Federal e, portanto, também do INSS, por 90 dias, a partir de 23 de março de 2020.

 

Outra inovação apresentada pela MPV nº 926/2020 é a possibilidade de realização de licitações na modalidade pregão, eletrônico ou presencial, também para o combate à COVID-19, com todos os prazos reduzidos pela metade, conforme redação dada ao artigo 4º-G da Lei nº 13.979/2020, além do afastamento da audiência pública para as aquisições acima de R$ 150.000.000,00, de acordo com o parágrafo 3º do mesmo artigo, já estando o Portal de Compras Governamentais do Governo Federal adaptado para as novas disposições da Lei nº 13.979/2020.

 

Assim eram e ficaram os prazos do pregão:

Etapa

Lei 10.520/02 e Decr. 10.024/19

Lei 13.979/20

Publicação

8 dias úteis

4 dias úteis

Impugnação / esclarecimentos

3 dias úteis

1 dia útil

Resposta à impugnação / esclarecimentos

2 dias úteis

1 dia útil

Data da sessão pública

1 dia útil

1 dia útil

Recursos

3 dias úteis

1 dia útil

Contrarrazões

3 dias úteis

1 dia útil

Resposta a recursos, adjudicação e homologação

5 dias úteis

2 dias úteis

Assinatura de contrato

5 dias úteis
(não está na lei, prazo mais usual)

2 dias úteis (redução lógica)

Prazo total

27 dias úteis

11 dias úteis

 

 

Na contagem dos prazos totais, não são considerados os prazos de impugnação, esclarecimento e de respostas a esses pedidos, visto que esses prazos devem ocorrer dentro do prazo de publicação de oito ou quatro dias úteis.

 

Ponto relevante dessa redução e que a norma não tratou com especificidade é que o prazo de impugnação foi reduzido para 1 dia útil, o que significa que o licitante terá até o dia anterior à licitação, às 23h59 para impugnar o edital. Caso a licitação se dê pela manhã, a Administração terá poucas horas, talvez minutos para julgar a impugnação.

 

Ainda que seja juridicamente possível fazer uma licitação sem responder a impugnação, esse cenário gera, na prática problemas quase que insolúveis, muitas vezes mais problemáticos até que a suspensão da licitação. Neste sentido, passa a ser uma boa prática fazer essas licitações no período da tarde, para que o órgão tenha, no mínimo, o período da manhã do dia da licitação, para analisar e julgar as impugnações que forem porventura apresentadas.

 

De toda sorte, voltando à redução dos prazos, quando o Poder Público tem poucos dias para implementar uma solução que pode salvar vidas, percebe-se a expressividade e a importância da diminuição dos prazos mencionados.

 

Essa celeridade de procedimentos, embora nunca tenha sido adotada pelo Brasil, não é original. Isso porque, é possível encontrar em outros ordenamentos institutos bastante semelhantes ao estabelecido pelo artigo 4º-G da Lei nº 13.979/2020, a exemplo das normas de contratação de Portugal e, principalmente, da Espanha.

 

De modo similar às contratações públicas no Brasil, o Código de Contratos Públicos de Portugal, bem como Ley de Contratos del Sector Público, da Espanha, também preveem a contratação direta por dispensa em casos de emergência.

 

No entanto, os dois sistemas se distanciam do brasileiro na medida em que estabelecem uma estrutura binomial de contratações emergenciais – além da dispensa de licitação, Portugal e Espanha também instituíram uma segunda forma de contratação, que, no primeiro encontra o nome de “concurso público urgente” e, no segundo, “tramitación urgente del expediente”, nos quais todos os prazos da licitação são reduzidos pela metade e o processo recebe um regime prioritário para as tramitações internas do órgão.

 

O modelo de tramitación urgente del expediente espanhol é ainda mais próximo do novo modelo brasileiro adotado pela Lei nº 13.979/2020 comparado ao processo português, haja vista que, diferentemente de Portugal, que excluiu diversas etapas do processo licitatório, como as impugnações ao edital e a negociação de preços, a Espanha limitou-se a reduzir os prazos para acelerar o procedimento.

 

O modelo binomial adotado pela Espanha e por Portugal, com a dispensa de licitação por emergência e a contratação de urgência, nos parece um avanço positivo em termos de contratação emergencial, e que pode ser adotado no Brasil não só para o enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus.

 

Este avanço, foi, inclusive, objeto de análise em nossa tese doutoral defendida em fevereiro de 2020, quando sustentamos a importação desse instituto.

 

Tal modelo permitiria diferenciar o que é uma situação de urgência, na qual o gestor público precisaria de uma solução mais rápida que a habitual, e uma emergência, em que a solução deva ser imediata.

 

Isso resultaria em uma significativa redução no número de contratações diretas, algo que, no Brasil, não deve ser ignorado – hoje, a exceção virou regra, e as dispensas de licitação representam 61,53% do volume de compras feitas pelo Governo Federal, segundo dados de 2019 do Painel de Compras.

 

Certamente, a adoção do modelo de contratação de urgência no Brasil deve ser feita de forma planejada e coordenada, com a classificação clara das hipóteses do seu cabimento, de modo que não acabe por levar a um excesso de contratações feitas “à toque de caixa”, obstando um controle efetivo dos gastos públicos.

 

Instituída da forma correta, a contratação de urgência poderia se tornar uma importante ferramenta aos gestores que, hoje, diante de uma situação que demanda uma solução mais célere (mas não imediata), precisam se socorrer à dispensa de licitação, independentemente do grau de urgência/emergência.

 

Por fim, em relação ao modelo de contratação urgente aplicado pelo artigo 4º-G da Lei nº 13.979/2020, cumpre-nos fazer dois alertas.

 

O primeiro deles é para os licitantes que vierem a participar dos processos realizados com base na nova legislação: atente-se aos novos prazos que se tornaram significativamente mais curtos em comparação com aqueles até então enfrentados, a exemplo do prazo para recursos, cujas razões devem ser apresentadas em 1 dia.

 

O segundo é para os gestores que vierem a se deparar com situações que demandem a aplicação da Lei nº 13.979/2020 para o enfrentamento da COVID-19. A adoção do modelo de contratação urgente deve, assim como a modalidade de dispensa de licitação, ser devidamente justificada, por se tratarem de processos mais restritivos e menos transparentes. Não é demais recordar que todo ato administrativo que importe no afastamento de uma ampla participação de competidores e que possa alijar uma detida análise pelos órgãos de controle e pela sociedade civil deve encontrar justificação, sob pena de responsabilidade.

 

[1] Doutor em Direito do Estado. Advogado, professor e Conselheiro da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento - CASAN. Diretor de Direito Público da Escola Superior de Advocacia - ESA-OAB/SC e Secretário-Geral do Instituto de Direito Administrativo de Santa Catarina - IDASC

[2] Acadêmico do curso de direito da UFSC.

[3] Acadêmica do curso de direito da UFSC

Análise da página "contratacoes-de-urgencia"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 24 | Número de avaliações: 47
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa