10/04/2020 - Governo do RJ gasta R$ 1 bilhão em contratos sem licitação para combate à Covid-19
Notícia de licitação
 

G1
Tatiana Nascimento

 

Deste total, R$ 836 milhões vai para OS Iabas, a mesma que está proibida de participar de licitações pelo município. Governo disse que não há impedimento para contratar organização social.

 

O Governo do Rio de Janeiro realizou gastos no valor de R$ 1 bilhão para fechar contratos emergenciais, sem licitação, para o combate à pandemia da Covid-19. Os valores dos contratos serão destinados para a compra de respiradores, máscaras e testes rápidos, como mostrou o RJ2 nesta sexta-feira (10).

 

A maior parte desse dinheiro, quase R$ 836 milhões, foi destinado para a Organização Social (OS) Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas).

 

Essa OS está proibida de participar de novas licitações por dois anos no município do Rio. A decisão da prefeitura foi tomada porque a OS descumpriu contratos e teria cometido erros administrativos graves nas UPAs de Costa Barros e Madureira.

 

As falhas das OSs geraram prejuízos aos cofres públicos, como desvio de verbas, gastos acima dos valores contratados, falta de pagamento à serviços terceirizados.

 

Contrato com o estado

 

Contratada pelo governo do estado, a organização Iabas já recebeu a primeira parcela no valor de R$ 69 milhões. O dinheiro é para administrar 1,4 mil leitos dos sete hospitais de campanha do estado.

 

Os processos, que estavam disponíveis no Sistema Eletrônico de Informações (SEI), foram colocados em sigilo pela secretaria de Saúde. Nesta sexta, eles voltaram a aparecer no site.

 

Funcionária da Saúde do RJ exonerada

 

Na semana passada, o governador exonerou a subsecretária de Saúde Mariana Scardua, que entre outras funções cuidava da fiscalização de contratos e gestão de recursos.

 

Fontes da secretaria afirmam que ela estava perdendo espaço pra o colega Gabriel Neves, nomeado em fevereiro como subsecretário executivo para coordenar as contratações emergenciais em função da pandemia.

 

A ex-subsecretária estaria descontente com algumas das contratações feitas sem licitação por Gabriell Neves.

 

O que dizem os citados

 

A secretaria estadual de Saúde disse que um servidor indevidamente colocou os processos em sigilo e que abriu sindicância para apurar os motivos e tomar as medidas cabíveis.

 

A secretaria informou ainda que, por determinação do governador Wilson Witzel, todos os contratos emergenciais para o combate à pandemia vão ser enviados para análise do Tribunal de Contas do Estado, da Assembleia Legislativa e do Ministério Público.

 

A pasta disse ainda que não há nenhum impedimento jurídico que torne a OS Iabas impedida de prestar serviço ao estado.

Análise da página "governrjj"   

Avaliação: 4 de 10 | Comentários: 9 | Número de avaliações: 18
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa