23/08/2020 - Mais de 40% das compras do governo em 2020 não tiveram licitação
Notícia de licitação
 

Metrópoles
Mayara Oliveira

 

Devido à pandemia, presidente Jair Bolsonaro editou MPs que flexibilizam normas da lei de licitações. Ministério da Saúde lidera compras

 

Em 2020, o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) até agora desembolsou mais de R$ 5,9 bilhões em compras sem licitação, ou seja, quando o contrato é feito diretamente entre o governo e quem vai prestar o serviço.

 

O valor representa 40,7% do total das compras realizadas. É o que mostram os dados do Portal da Transparência entre 1º de janeiro a 5 de junho deste ano.

 

De acordo com o portal, durante o período, o governo federal desembolsou R$ 14,6 bilhões em todas as modalidades de compra, seja com dispensa de licitação, abertura de concorrência ou pregão, por exemplo.

 

Por conta da pandemia de Covid-19, em março, o presidente Jair Bolsonaro editou a Medida Provisória nº 926, que autoriza o governo a fazer compras, sem licitação, de produtos necessários ao combate à doença.

 

Pelo texto, não será preciso realizar licitação “para aquisição de bens, serviços, inclusive de engenharia, e insumos destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus”.

 

A medida, aprovada pelo Congresso Nacional, diz também que, para compras destinadas à pandemia, o prazo de licitações na modalidade pregão, eletrônico ou presencial, pode ser reduzido pela metade.

 

Além disso, Bolsonaro editou a MP nº 961, que permite o pagamento antecipado de compras públicas durante a pandemia do coronavírus. A medida vigora desde maio, mas ainda está sob análise do Congresso Nacional. O texto precisa ser aprovado pelos parlamentares até o início de setembro para não perder a validade.

 

A medida diz que o pagamento de licitações poderá ser antecipado em duas ocasiões:

 

quando for condição indispensável para obter o bem ou assegurar a prestação do serviço; ou

 

quando propiciar significativa economia de recursos.

 

De acordo com o secretário de Gestão do Ministério da Economia, Cristiano Heckert, com a pandemia, algumas empresas prestadoras de serviço passaram a exigir pagamento antecipado.

 

“Neste momento, a gente tem se deparado com situações que o mercado está exigindo pagamento antecipado, e a administração pública, até então, não tinha os instrumentos”, explicou.

 

Ministério da Saúde lidera compras sem licitação

 

O Ministério da Saúde é a pasta do governo federal que mais desembolsou recursos para fazer compras com dispensa de licitação entre janeiro e junho deste ano.

 

De janeiro a junho deste ano, o órgão gastou R$ 3,3 bilhões, ou seja, mais da metade (56,2%) do valor total já gasto com o governo em compras na modalidade.

 

Em nota ao Metrópoles, o Ministério da Saúde informou que “as aquisições realizadas por dispensa de licitação para o combate à pandemia estão concentradas em insumos e equipamentos, como ventiladores pulmonares, testes sorológicos e RT-PCR, além de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) – máscaras, luvas, aventais, sapatilhas entre outros”.

 

“Não existe previsão de se iniciar novas compras nessa modalidade tendo adquirido ao longo da pandemia uma capacidade cada vez maior de prever e planejar determinadas situações”, informou.

 

A pasta ressaltou ainda que o valor de R$ 3,3 bilhões corresponde a “todas as dispensas de licitação realizadas pelo Ministério da Saúde”.

 

“São contratações para atender ações de rotina, como compras de vacinas de Influenza, Sarampo, Febre Amarela, entre outras, e de ações para o enfrentamento da Covid-19”, explicou.

Análise da página "maiiiiiiiiisde"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa