07/09/2020 - MPC investiga contratos da ADS que chegam a R$ 6 milhões
Notícia de licitação
 

D24 AM
Alex Braga

 

Para o procurador de contas, os atos praticados pela Agência, são graves infrações ao princípio licitatório, já que são suspeitos em facilitar processos sem licitação

 

Manaus – O favorecimento da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS) em contratar determinadas empresas para fornecimento de alimentos é investigado pelo Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC-AM). Para o procurador de contas, os atos praticados pela ADS são graves infrações ao princípio licitatório, já que são suspeitos em facilitar processos sem licitação. Ao todo, os contratos com essas empresas chegam a R$ 6 milhões.

 

Investigação do MPC

 

Por causa da contratação de agroindústrias sem licitação, o procurador de contas, Ruy Marcelo Alencar de Mendonça do MPC-AM, propôs representação nº 13/2020 contra o ex-presidente da ADS, por possíveis episódios de ilicitude na realização de contratações de agroindústrias sem licitação mediante credenciamento, no ano de 2019.

 

Sem licitação

 

Segundo o procurador, através do Ministério Público Federal (MPF), tiveram as informações que a ADS contratou sem licitação diversas agroindústrias locais na execução do Programa de Regionalização da Merenda Escolar – PREME, em 2019, para aquisição de grande quantidade de gêneros alimentícios, principalmente, polpas de fruta e de carne bovina.

 

Empresas privilegiadas

 

A recomendação cita casos de contratos da ADS, de acordo com informações do Portal da Transparência do Amazonas, a Chaves Coimbra EPP no valor de R$ 1,1 milhão para aquisição de polpas de fruta; Mar Rio Indústria e Comércio de Produtos Alimentícios por mais de R$ 1 milhão para aquisição de carne bovina; com Juliano Bento da Silva no valor de R$ 1,8 milhão para aquisição de carne bovina; com Alberto N H Lima por R$ 1,1milhão para aquisição de carne bovina; e Amazon Beef Comércio de Carnes Ltda no valor de R$ 582 mil.

 

Sem justificativa

 

Na época quem estava à frente da ADS era Flávio Antony Filho, que saiu do cargo em junho deste ano. Questionado, respondeu ao MPC que “as contratações teriam fundamento nos artigos 5.º3 e 7.º4 da Lei Estadual n. 3.454/2009”. Mas, de acordo com o procurador “não há fundamento constitucional e legal para afastar licitação nos moldes praticados pela ADS em favor das agroindústrias locais. A lei estadual de regência das aquisições para merenda escolar é expressa ao determinar a observância do regime da Lei de Licitações nº 8.666/93”, afirma o procurador.

 

Vantagens a empresas

 

Segundo apuração do Ministério Público Federal, agricultores familiares estão sendo explorados e dispensados do processo por empresários em situação econômica privilegiada. “Os dirigentes da ADS, ao equipararem as agroindústrias fornecedoras de carnes e polpas de frutas a pequenos agricultores familiares, para o efeito de contratação direta sem licitação mediante simples credenciamento, praticaram atos com grave infração ao princípio Licitatório do que resultou direcionamento de negócio público e benefício ilegítimo a empresas determinadas”, consta na recomendação.

Análise da página "mpciiiiiiiin"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa