20/04/2020 - MPC questiona valor de respiradores adquiridos pelo Estado
Notícia de licitção
 

Diário AM
Álisson Castro

 

Governo do Amazonas pagou R$ 106 mil por unidade de aparelhos, que foram comprados pelo governo federal por R$ 57 mil; Ministério Público de Contas quer explicações

 

Manaus – O Ministério Público de Contas (MPC) cobra explicações do governador Wilson Lima sobre preços de respiradores pulmonares adquiridos pelo Estado ao custo de R$ 106.200 mil, valor muito superior aos comprados pelo governo federal, que gira em torno de R$ 57.300.

 

O equipamento usado para atender pacientes com Covid-19 que o Estado comprou, com dispensa de licitação, 28 unidades ao custo total de R$ 2,970 milhões de uma empresa especializada no ramo alimentício.

 

No ofício encaminhado ao governador, o procurador-geral do MPC João Barroso de Souza estabelece prazo de três dias para que o Estado apresente informações e justificativas “acerca do preço de mercado praticado e a escolha da empresa FJAC e Cia Ltda. O não atendimento poderá ensejar representação ministerial, sonegação de documentos e multa”, consta no ofício.

 

O GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC) publicou matéria no último dia 14 informando que, mesmo com o colapso na saúde pública do Amazonas e em meio a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a gestão de Wilson Lima pagará R$ 2,9 milhões à Vineria Adega para o fornecimento de ventiladores pulmonares para hospitais. A nota de empenho foi publicada no dia 8 de abril – mesma data em que a nova secretária de Saúde, Simone Papaiz, foi nomeada – no Portal da Transparência Fiscal.

 

Segundo o empenho publicado, a Vineria Adega irá fornecer dois tipos de ventiladores pulmonares para uso hospitalar, doméstico, portátil, intra/extra-hospitalar para aplicação invasiva e não invasiva em pacientes pediátricos, e para adultos, será tipo mecânico com modos de terapia, controle de volume pressão, monitoramento em tempo real na tela LCD, armanezamento de dados, leitura de cartão SD, modo de ventilação, entre outras especificações. Segundo a observação, a aquisição é para atender o plano de contigência estadual em atendimento as ações de controle e prevenção da infecção humana pela Covid-19.

 

Conforme consta no Portal da Transparência, ocorreu dispensa de licitação (não teve processo de concorrência com outras empresas) e o valor será pago à empresa Vineria Adega (nome fantasia), o nome empresarial da empresa é FJAP E CIA LTDA com CNPJ n 04.819.241/0001-18, conforme consta na descrição de atividades econômicas a empresa atua no comércio de tintas, vidros, artigos esportivos, entre outros. A empresa tem dois sócios, Fábio José Antunes Passos e Fernanda Bian Antunes Passos.

Análise da página "mpq1uestttiii"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa