12/07/2019 - Municípios discutem criação de consórcio para baratear custos de licitações
Notícia de licitação
 

Engeplus
Thiago Hockmüller

 

Medida foi assinada pelos prefeitos e encaminhada para as Câmaras de Vereadores

 

A Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) protocolou um documento para a criação do Consórcio Intersetorial. A medida prevê compras conjuntas entre os associados, barateando licitações, além de facilitar convênios com o Governo do Estado para a recuperação de rodovias estaduais localizadas dentro dos municípios.

 

O documento já foi assinado pelos prefeitos e protocolado na Amrec. Agora será encaminhado para aprovação nas respectivas Câmaras de Vereadores. O consórcio depende de um mínimo de duas aprovações para vigorar e permite que os municípios que não aprovarem a medida possam rediscuti-la e se integrarem mesmo após a criação.

 

“A partir de ontem já estão fazendo o encaminhamento para cada Câmara e repassando o protocolo de intenções. Todos estão bem empolgados. Vai ser um contrato de 12 meses para ver como funcionará. Eles pediram para encaminhar com urgência porque querem fazer logo.” Vanderlei Alexandre, diretor Executivo da Amrec.

 

A ideia principal do projeto, como já funciona na rede de saúde, é baratear custos na aquisição de insumos que são comuns entre as prefeituras, como por exemplo, areia, brita, pneus, bolas, veículos, etc. A ideia é levantar a quantidade necessária para cada prefeitura e realizar uma licitação conjunta por meio do consórcio.

 

Também serão trabalhados de forma conjunta o Plano de Mobilidade Urbana, turismo, meio ambiente e desenvolvimento regional. O consórcio terá a missão ainda de levar ao Governo do Estado as demandas de infraestrutura das cidades, firmando convênios para a recuperação de estradas. “A ideia é reduzir custos, mas vale somente para as rodovias estaduais que cortam os municípios. Apenas nessas que o consórcio vai intervir junto ao Governo do Estado. Já está acontecendo em todo o Estado de Santa Catarina. Queremos fazer compras mais baratas”, argumenta Alexandre.

 

Os custos

 

“O consórcio fará o trabalho a nível regional. Nesse primeiro momento vamos trabalhar com o quadro que temos de servidores da Amrec que serão cedidos para executar o trabalho. Quem mantém o consórcio são os municípios por meio do rateio.” Vanderlei Alexandre, diretor Executivo da Amrec.

 

Caberá as prefeituras o rateio dos custos do consórcio, que quase em sua totalidade será formado por funcionários da Amrec. Assim que o documento for aprovado, ele retorna para a associação onde será formalizada uma diretoria para administrar o projeto.

 

Apesar de não haver uma data específica para o consórcio vigorar, a Amrec trabalha com um prazo de 30 dias para receber as aprovações dos municípios. O acordo vai vigorar por 12 meses para observação da funcionalidade do plano.

Análise da página "muniiiciiiiip"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa