Entenda as causas das obras paralisadas no Brasil
Segundo estudo do TCU, 37,5% das obras estão paralisadas ou inacabadas.
Publicado em 4 de Julho de 2019
Por Felipe Boselli
 
O Tribunal de Contas da União (TCU) divulgou relatório em maio de 2019 sobre a análise dos maiores sistemas de contratação de obras no Brasil (Caixa Econômica Federal, Ministério da Educação, Funasa, PAC e DNIT), com a análise de 38 mil obras.
Esse relatório aponta que 37,5% das obras desses programas estão paralisadas ou inacabadas. São escolas, creches, hospitais e estações de tratamentos de esgoto que, além de desembolsar grande volume de recursos públicos, deixam de atender à população.

Corriqueiramente vemos notícias sobre obras paralisadas nos mais diversos meios de comunicação dizendo que não foram entregues por culpa das empreiteiras responsáveis por elas. Mas essa informação não corresponde aos dados.

O estudo do TCU mostra que em número de obras paralisadas, 47% das dos contratos estão paralisados por motivos técnicos e 23% por abandono da empresa.

Quando os dados são convertidos para analisar o volume de recursos, ao invés de número de obras, ou seja, dando maior peso para as maiores obras, o gráfico se mostra ainda mais expressivo. Conforme o estudo, 48% do orçamento está parado por indisponibilidade financeira e 19% por motivos técnicos. Nessa segunda metodologia de análise o abandono da empresa é responsável pela paralisação de apenas 4% dos recursos públicos.

Entre motivos financeiros e técnicos, podemos aglutiná-los como deficiência de planejamento, de modo geral. Ou seja, quase 70% dos recursos públicos estão paralisados pela falta de planejamento desses contratos.

É fundamental que tenhamos essa análise para poder enfrentar, adequadamente, as causas da paralisação das obras no país e tornar a contratação pública mais eficiente.

Análise da página "obras-paradas"   

Avaliação: 8 de 10 | Comentários: 13 | Número de avaliações: 25
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa