11/04/2019 - Para reduzir pedágio, Doria quer adiantar concessão das rodovias
Notícia de licitação
 

R7

 

Ideia é antecipar as renovações de contratos com prazos de vencimento mais

 

Ao completar cem dias à frente do governo paulista, o governador João Doria (PSDB) afirmou nesta quarta-feira (10) que a redução das tarifas de pedágio é um "compromisso de sua gestão". Para isso, anunciou que vai antecipar a renovação ou ampliar o lote de concessões das rodovias na expectativa de que resultem em uma diminuição dos valores de cobrança. Os novos contratos também vão estimular a adoção dos modelos de pedágio ponto a ponto e de tarifa flexível.

 

"Estamos interessados nos benefícios da concessão de novas rodovias, de novas melhorias e de tarifas mais baixas que vão oferecer aos usuários. Isso é o mais importante", disse.

 

Segundo Doria, a PGE (Procuradoria-Geral do Estado) está analisando todos os contratos vigentes para estudar negociações com empresas cujas concessões vencem até 2022. A ideia é antecipar as renovações daqueles contratos com prazos de vencimento mais extensos ou ampliar o lote de concessão para os que vencem em breve.

 

Estudos de viabilidade de uma nova concessão de rodovias pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) foram aprovados em agosto do ano passado, durante o governo Márcio França. Uma das propostas mais avançadas é oferecer um novo lote rodoviário, de cerca de mil quilômetros, para operação da Centrovias, que administra parte da malha viária da Rodovia Washington Luís.

 

Em nota, a agência explicou que a opção por nova licitação ou renovação dos contratos será definida com base nos estudos da PGE, considerando a legislação vigente e o interesse público, que seriam "tarifas cada vez mais justas e investimentos na malha". Segundo a Artesp, outras quatro concessões vencem até 2022 - Autovias, Triângulo do Sol, Renovias e Autovias, todas com administração de malha viária na região de Ribeirão Preto, Araraquara e São Carlos. O projeto prevê que a redução de tarifa seja de 22%.

 

Modelos

 

Doria também disse que a renovação de contratos e ampliações de concessões vão permitir o uso de "dois novos modelos" de cobrança de pedágio. Um deles é o ponto a ponto, sistema de cobrança por trecho percorrido, que já foi implementado no Estado na gestão Geraldo Alckmin (PSDB), por meio de um projeto-piloto que acabou não sendo ampliado.

 

O outro é o de tarifa flexível, com cobranças menores no período das 22 às 6 horas - que, segundo Doria, pode chegar a metade do preço praticado. "Ajuda a desafogar o trânsito durante o dia, reduz a poluição e estimula o transporte de cargas no período noturno", disse. O modelo também daria descontos para quem mais usa o trecho e redução de 5% da tarifa para quem utiliza a cobrança automática.

 

O governo também estuda diferentes formas de entregar as Marginais do Pinheiros e do Tietê ao setor privado. Além da PPP, está na mesa a junção das marginais a algum outro projeto já existente de concessão de rodovias.

Análise da página "parareddd"   

Avaliação: 4 de 10 | Comentários: 9 | Número de avaliações: 18
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa