22/04/2020 - Prefeitura do Rio entra na Justiça para receber 80 respiradores comprados na China
Notícia de licitação
 

Extra
Luiz Ernesto Magalhães

 

A Procuradoria Geral do Município da prefeitura do Rio deu entrada no final da tarde desta terça-feira com uma ação no plantão judiciário com pedido de liminar para receber imediatamente 80 respiradorees adultos e pediáricos que comprou no ano passado da China.

 

Na inicial, a prefeitura acusa a empresa Magmed Tecnologia Médica S\A, responsável pela importação, de reter de forma indevida os aparelhos sob alegação de que os equipamentos haviam sido requisitados pelo Ministério da Saúde. Na ação, a prefeitura argumenta que um ofício enviado à empresa no dia 25 de março pelo próprio Ministério da Saúde informava que bens destinados aos estados e municípios deveriam ser liberados para enfrentar a pandemia do Covid-19 em todo o país.

 

''O não deferimento da tutela de urgência representa um severo comprometimento da política municipal de controle da pandemia do coronavirus, que pode levar ao colapso do sistema público de saúde municipal (...) Nesse aspecto, as 80 unidades de ventiladores pulmonares possibilidaria a abertura de novos leitos para o enfrentamento do coronavírus'', diz o procurador Marcus Gouveia dos Santos, que assina a ação.

 

Na semana passada, o prefeito Marcelo Crivella disse que iria pedir os respiradores de volta ao Ministério da Saúde. Na ocasião, ele desconhecia ainda que não haveria impedimento para a entrega dos equipamentos, como afirmam os advogados do Município.

 

Coronavírus: Quatro em cada dez municípios do Estado do Rio já tem pelo menos um morto pela Covid-19

 

O GLOBO ainda não conseguiu falar com representantes da empresa. A falta de respiradores é uma das razões que limitam a expansão de leitos para Covid-19 no Rio. A previsão da prefeitura é que outros 300 aparelhos, comprados da China, só cheguem ao Brasil na próxima semana. Esses equipamentos serão usados no Hospital de Campanha montado para receber até 500 pacientes no Riocentro (cem dos quais em UTIs, que dependem de respiradores para funcionar). O hospital já ficou pronto, mas não tem insumos suficientes.

 

Segundo a petição, inicialmente, o Ministério da Saúde havia requisitado em 19 de março toda a produção da empresa por 180 dias para enfrentar a pandemia. No entanto, em 25 de março, o órgão reviu a decisão. A prefeitura alega que em 26 de março recebeu um comunicado da empresa que não poderia entregar os aparelhos por conta da requisição do Ministério da Saúde. No entanto, o ofício enviado à prefeitura é posterior ao documento do Ministerio da Saúde que liberava os respiradores.

 

Os 80 respiradores foram comprados pela prefeitura em licitação concluída em dezembro do ano passado, por um custo total de 744 mil dólares (R$ 3,9 milhões em valores atuais) a ser quitado em 15 parcelas até 30 de novembro de 2024. Na época, não havia escassez do produto no mercado internacional, já que a epidemia do novo coronavírus ainda não havia eclodido.

 

Na ação, a prefeitura acusa a empresa de reter os equipamentos visando apenas o lucro, pois já tinha ciência do ofício do Ministério da Saúde quando se recusou a enviar os aparelhos para o Rio. Na inicial, a PGM oferece como um indício de que a empresa sabia que não havia qualquer obstáculo uma defesa apresentada pela empresa em um processo que corre em São Paulo, movido pela Prevent Senior Private Operdora de Saúde Ltda, que também tentava receber respiradores que adquirira da empresa.

 

Nesse processo de São Paulo, a Magnamed argumentava que por restrições do Ministério da Saúde só estava autorizada a entregar equipamentos para estados e prefeituras. No mesmo processo, a empresa alegava não ter insumos para fornecer os respiradores para a Prevent Senior. Ainda segundo a inicial da prefeitura do Rio, no entanto, a resposta da empresa foi recebida com estranhamento pela 45ª Vara Cível de São Paulo. Isso porque a mesma empresa havia se comprometido a entregar 250 respiradores ao Ministério da Saúde até o fim de abril.

Análise da página "preffitrio"   

Avaliação: 5 de 10 | Comentários: 10 | Número de avaliações: 20
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa