17/04/2019 - Projeto de Lei que visa renovação de concessão com a Sanesul prevê redução da taxa de esgoto
Notícia de licitação
 

Capital News
Flavia Andrade

 

Debates foram realizados durante a sessão ordinária em Corumbá

 

Nesta semana, vereadores da Câmara de Corumbá realizaram debates referente ao Projeto de Lei que autoriza o Poder Executivo a iniciar conversações com o Estado de Mato Grosso do Sul, para a renovação da concessão dos serviços de água e esgoto com a Sanesul, o qual deverá ser votado na próxima terça-feira, 23 de abril. Segundo o presidente do Poder Legislativo corumbaense, Roberto Façanha, salientando que a data foi definida em comum acordo entre os vereadores.

 

Atendendo convite do presidente Façanha, o prefeito Marcelo Iunes compareceu à Câmara para detalhar temas importantes que serão discutidos com o Estado e com a direção da Sanesul, antes da renovação da concessão. Iunes observou que a Câmara de Vereadores, Ministérios Públicos Estadual e Federal, a sociedade organizada e a própria população corumbaense, também serão ouvidos, inclusive com a realização de uma audiência pública.

 

O prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes, acompanhou também, a apresentação de uma emenda aditiva e modificativa ao projeto encaminhado pelo Poder Executivo, pelo vereador Tadeu Vieira, que autoriza gestão associada com o Estado, para prestação, organização, planejamento, regulação e fiscalização dos serviços de saneamento básico, integrados pelas infraestruturas, instalações operacionais e serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário no Município de Corumbá.

 

Conforme texto da proposta do parlamentar, a taxa de esgoto cai dos atuais 70% do valor da tarifa de água, para o percentual máximo de 50%; que o consumidor passe a pagar aquilo que realmente consome (fim da tarifa básica de consumo que é de 10 metros cúbicos); criação de uma comissão da Câmara para acompanhamento, elaboração e execução do contrato do programa de gestão composta pelos presidentes das comissões de Constituição, Justiça e Redação, de  Finanças e Orçamento e de Defesa do Consumidor.

 

O líder do Executivo deixou claro que a participação de todos os vereadores no processo é importante, assim como dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, além de outros segmentos da sociedade. Enfatizou também que, o Município vai discutir todas estas questões, inclusive que a taxa de esgoto pensada é de até 50%, mas que “vamos buscar reduzir ainda mais, chegando a 40, 35%”.

 

Além disso, o prefeito descartou de forma categórica, qualquer possibilidade de o serviço de saneamento básico ser municipalizado devido às dívidas do próprio Município com a Sanesul, de cerca de R$ 20 milhões, e, principalmente do Hospital de Corumbá, que chega a R$ 40 milhões.

 

De acordo com Marcelo Iunes, “A municipalização é inviável. Não temos como pagar a dívida com a Sanesul e dificilmente teríamos uma empresa participando da licitação para assumir os serviços de água e esgoto na cidade”, pontuou.

 

Ainda conforme o prefeito, já está em discussão com a empresa de saneamento, a anistia das dívidas do hospital e do Município, contraídas em épocas passadas, hoje impagáveis. Além disso, está tratando também de apoio financeiro ao hospital, por meio de subvenção social, dentro do plano de investimento da empresa que, no período de 30 anos, prevê aplicar cerca de R$ 120 milhões (R$ 4 milhões por ano).

 

Conforme líder do Executivo, “Estamos pensando no que é melhor para a cidade, para a nossa população. Mas, hoje não posso sentar para discutir o assunto. Precisamos do apoio da Câmara e somente após a autorização do Poder Legislativo, é que poderemos tratar da questão”, conclui.

Análise da página "projetodelllle"   

Avaliação: 9 de 10 | Comentários: 14 | Número de avaliações: 27
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 98836-3254
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa