01/05/2019 - TCE analisa direcionamento em contratação de auditoria da Fipe
Notícia de licitação
 

Folha do Mate
Carlos Dickow

 

Ainda segue pendente de julgamento, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), o processo número 004806-0200/17-5, instaurado pelo órgão em 12 de janeiro de 2017, com objetivo de apurar suposto direcionamento em contratação da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para analisar contratos do Município.

 

A medida foi uma das primeiras adotadas pela atual Administração e se deu na modalidade de dispensa de licitação - com o valor de R$ 397.695,00. A contratação foi efetivada, na época, conforme o prefeito Giovane Wickert, 'em busca de diagnóstico sobre onde seria possível economizar recursos públicos e, até mesmo, romper convênios que não fossem mais de interesse do Município'.

 

Ao analisar as ações do chefe do Executivo referentes às contas do exercício 2017, o TCE concluiu, no caso da contratação da Fipe, 'que a auditada não colheu formalmente as informações prévias de possíveis empresas em condições de realizarem o trabalho, mas direcionou contratação à instituição que lhe interessava'.

 

Ausência (nos autos do processo) de orçamento detalhado em planilhas; a não comprovação de que a Administração tenha promovido medida para justificar o preço praticado; e a observação de que o objeto contratado é 'genérico', podendo ser realizado por qualquer empresa de assessoria jurídica e contábil, não se justificando utilização do instituto de dispensa de licitação, são deslizes evidenciados para reforçar 'o descumprimento ao comando constitucional de realização de licitação'.

 

REPERCUSSÃO

 

Crítico contumaz da contratação da Fipe desde que o processo foi confirmado pela Administração, o vereador Tiago Quintana (PDT) foi quem repercutiu o apontamento do TCE em relação ao tema. 'É uma situação delicada, que pode ter reflexos nas contas de 2017 do prefeito. Sempre disse aqui que a contratação desta consultoria estava sendo feita de forma irresponsável e ilegal, pois fizeram com dispensa de licitação', declarou ele, no período de Explicações Pessoais, quase no fim da sessão da Câmara desta segunda-feira, 29.

 

O parlamentar costuma se manifestar sobre o assunto de tempo em tempo, sempre afirmando que o Município anunciou a despesa ao mesmo tempo em que 'alardeava que não havia dinheiro para nada em caixa, porque a gestão anterior teria deixada como herança um déficit milionário'.

 

Wickert: 'Questionamentos como este são de praxe'

 

O prefeito de Venâncio Aires, Giovane Wickert, disse ontem que está tranquilo em relação à análise do Tribunal de Contas do Estado (TCE) no que se refere à contratação da Fipe. De acordo com ele, 'questionamentos como este são de praxe, ocorrem com todos os prefeitos e, neste caso, aconteceu principalmente por ser uma contratação nova, pois a Prefeitura nunca tinha buscado os serviços da Fipe'.

 

O prefeito declarou ainda que 'este é o único questionamento da Administração em 2017, ao contrário de outros anos, quando o volume foi muito maior'. Acrescentou que a contratação se deu 'nos mesmos moldes de 2010 ou 2011, quando a Prefeitura contratou a Unisc para elaborar o Plano Diretor Municipal'.

 

O chefe do Executivo comentou que 'a Fipe é referência nacional na prestação de serviços como os que o Município se dispôs a contratar e foi escolhida, justamente, pelo histórico de isenção'. Para o prefeito, quando o processo for finalmente julgado, não restarão ressalvas como reflexo nas contas de 2017. 'Não houve avanços em relação ao processo desde 2017. Fomos questionados, enviamos nossas ponderações e estamos aguardando a finalização do procedimento. Tenho total tranquilidade, pois optamos por uma empresa isenta e independente, que não tivesse proximidade com Venâncio', argumentou.

 

'Se pegarmos outros anos, veremos que uma série de apontamento ocorreu. Em 2009, por exemplo, tivemos questões envolvendo horas-extras, CCs e diárias.'

 

GIOVANE WICKERT

 

Prefeito de Venâncio Aires, em referência ao primeiro ano do primeiro mandato de Airton Artus (PDT), quando ele era o vice-prefeito

 

Entenda

 

- Logo que assumiu a Prefeitura, em 2017, Giovane Wickert anunciou a contratação da Fipe, pela modalidade de dispensa de licitação, com o objetivo de revisar todos os contratos que o Município tinha em vigor naquela época.

 

- A intenção era a disponibilização de um diagnóstico indicando onde seria possível economizar recursos públicos e, até mesmo, romper convênios que não fossem mais de interesse do Município. O valor foi de R$ 397.695,00.

 

- Ao analisar as ações de 2017 da Administração, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontou 'direcionamento da contratação à empresa que lhe interessava (Prefeitura)'. O processo ainda está pendente de julgamento.

 

RESULTADO DA AUDITORIA

 

Após a análise dos contratos, a Fipe fez as seguintes orientações à Administração de Venâncio Aires:

 

1 Elaboração de novas minutas contratuais, mais completas, devendo as mesmas serem analisadas de acordo com o objeto contratado. Não pode haver um único modelo de contrato que é sempre copiado. Sugerimos mais qualificação jurídica na equipe de licitações para aprimorar as formas de contratação.

 

2 Mais qualificação na elaboração de editais, necessidade de elaboração prévia de termo de referência ou projeto básico. Sugerimos revisão de procedimentos para adoção de termo de referência ou projeto básico para todas as licitações.

 

3 Efetiva fiscalização do contratos, com elaboração de relatório periódico de acompanhamento, planilhas de controles de negativas e documentos trabalhistas. Sugerimos normatização e elaboração de manual de fiscalização de contratos.

 

4 Revisão das planilhas de cálculo do transporte escolar, pois em função da grande amplitude de roteiros é necessário avaliar variações de preços por quilômetro, bem como percentual de lucros, quantidade de monitores constantes da composição de custos. Sugerimos efetiva fiscalização do transporte escolar com utilização de GPS para rastreamento de quilometragem e acompanhamento periódico da variação dos componentes dos custos dos transportes.

 

5 Remodelação do contrato com o Hospital São Sebastião Mártir, adotando novo formato de percentual definido para metas qualitativas e metas quantitativas, com fiscalização mais eficiente dentro da unidade hospitalar através de auditoria técnica de procedimentos. Sugerimos revisão das médias de procedimentos, manutenção da dedução das receitas adicionais obtidas a partir de particulares e convênios. Além disso, acompanhamento periódico dos custos fixos instalados, para sugestão de redução de custos que possam futuramente reduzir o valor contratado.

Análise da página "tceanalissss"   

Avaliação: 7 de 10 | Comentários: 12 | Número de avaliações: 23
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa