27/03/2019 - Tribunal de Contas suspende pregão de jardim vertical na 23 de Maio
Notícia de licitação
 

Folha de S. Paulo
Elaine Granconato

 

Cláusulas do edital exigiam a comprovação de 5.000 metros quadrados de serviços

 

O TCM (Tribunal de Contas do Município) suspendeu o processo de licitação da Prefeitura de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB), para contratar empresa que ficará responsável pela manutenção do jardim vertical da avenida 23 de Maio (corredor norte-sul da capital).

 

A licitação foi suspensa pelo TCM por conta de uma das cláusulas do edital que exige a comprovação de 5.000 metros quadrados de serviços de manutenção desse tipo de muro verde.

 

A Aprescon (Associação dos Prestadores de Serviços e Construção do Estado de São Paulo), que representa um grupo de 12 empresas interessadas no certame, não concordou com essa cláusula e pediu pela impugnação do processo junto à prefeitura. Paralelamente, entrou com representação no TCM para suspender o processo licitatório. “Avaliamos existir irregularidades no edital. O tribunal acatou nosso pedido”, afirma o presidente da entidade e advogado, Roberto José Soares Júnior.

 

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Subprefeituras, se manifestou junto ao TCM. A princípio, reduziu a exigência para 2.500 metros quadrados, e, posteriormente, para 1.500 metros quadrados. 

 

A fiscalização do órgão entendeu razoável o novo quantitativo, mas considerou que a cláusula pode restringir a participação de empresas com expertise na área, porém sem os quantitativos mensais suficientes para se habilitar no certame público. Neste caso, representaria restrição à competitividade, segundo o TCM. Na prática, manteve o processo de licitação suspenso.

 

Atualmente, a manutenção dos 6 km de extensão do jardim vertical está a cargo da prefeitura, que diz fazer a irrigação duas vezes na semana à noite. Porém, há vários pontos de deterioração, com plantas secas ou mesmo sem vegetação.

 

O espaço foi entregue em agosto de 2017 ao custo de quase R$ 10 milhões, ainda na gestão de João Doria (PSDB), hoje governador do estado de São Paulo. Na época, o jardim vertical foi instalado no lugar de grafites apagados pelo ex-prefeito na avenida. Empresa especializada nesse tipo de vegetação executou o serviço, iniciado em março de 2017, a pedido de incorporadora como compensação ambiental à prefeitura. 

 

Outro lado

 

A Prefeitura de São Paulo, da gestão Bruno Covas (PSDB), alega que a empresa seria responsável pela manutenção do jardim vertical por 36 meses. Segundo a administração municipal, o prazo não teria sido cumprido e a empresa largado o serviço no meio do caminho. O que os executores negam e dizem não ter contrato firmado com a prefeitura _a manutenção ocorreria por apenas seis meses, segundo a empresa executora (Movimento 90 graus), com sede em Pinheiros (zona oeste).

Análise da página "tcsuspenddd"   

Avaliação: 6 de 10 | Comentários: 11 | Número de avaliações: 21
 
 
 

 
Contato
 
  (48) 99184-1375
  (48) 3364-8666
  (48) 3028-9667
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 11.05, Centro, Florianópolis/SC, CEP 88015-100
Encontre-nos
 
ACidade ONMilene Moreto O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada A Prefeitura de Campinas autorizou na sexta-feira (21) a abertura do processo de licitação da Parceria Público Privada do Lixo. Agora, a Secretaria de Administração deve preparar a concorrência e disponibilizá-la para as empresas interessadas em assumir a gestão de resíduos sólidos na cidade. O Executivo estima que até o final do ano a licitação seja encerrada. O processo ficará 45 dias disponível para consultas. Esse é o prazo para o recebimento das propostas. A abertura dos envelopes só é autorizada após esse período. A PPP do Lixo é um dos maiores contratos da Administração, orçado em R$ 800 milhões. Passou por consulta pública e, segundo o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, as mudanças sugeridas pela população não afetaram o projeto base. "Nós tivemos muitas sugestões e várias foram incorporadas ao nosso projeto, como a maximização da reciclagem. Nenhuma delas, no entanto, alterou a ideia do governo que é a de criar usinas, fazer uma gestão inteligente do lixo e com redução do impacto no meio ambiente", disse.  Sobre o edital, Paulella afirmou que que o processo está em fase avançada e acredita que, no máximo em um mês, já esteja disponível. "Durante toda a discussão da PPP o edital já estava em preparação. Precisamos agora apenas dos ajustes finais. Se tudo correr bem, nossa estimativa é de encerrar a licitação até o final do ano", disse o secretário. TRÊS USINAS A nova gestão do lixo planejada pela Prefeitura inclui a construção de três usinas: compostagem de lixo orgânico, reciclagem e transformação de rejeitos (carvão), que leva o nome de CDR. A receita da venda do material reciclado, composto e carvão é dividida com a Prefeitura. Cada um - empresa e Prefeitura - fica com 50%. O carvão, por exemplo, é utilizado em metalúrgicas e usinas de cimento, um mercado que está em crescimento em todo o mundo.  Todo o lixo passará por tratamento. Aquele que não puder ser aproveitado em nenhuma das usinas será descartado pela empresa. Mas a quantidade é pequena. Segundo Paulella, menos de 5%. Também é responsabilidade da concessionária que vencer a licitação realizar esse descarte em local adequado. O prazo para a vencedora da concessão construir as usinas é de cinco anos. Os serviços de varrição, cata-treco, coleta seletiva e ecopontos são assumidos imediatamente, mas a empresa só recebe pelo serviços prestados. Quanto mais ela demorar para construir as usinas, menos conseguirá gerar de receita.
 
Home   •   Topo   •   Sitemap
© Todos os direitos reservados.
 
Principal   Equipe   Missão e Valores   Imprensa